Citação

Alo amigos,

Este post é meio diferente dos outros, por uma razão especial, ele foi escrito sob encomenda.

Um dia, almoçando com colegas do trabalho, surgiu o assunto da dificuldade de ouvir e eu contei minha experiência com a surdez. Cesar, um dos colegas na mesa, me pediu que eu lhe passa-se algumas dicas porque ele ainda estava avaliando a sua situação. Então, quando cheguei em casa me pus a enumerar os itens que eu considerava que eram importantes para orientá-lo nesse caminhos das pedras surdas, e enviei por email.

Hoje, dois meses depois, encontrei com ele novamente e lembramos do assunto. Ele disse que mostrou a seu irmão e que este disse-lhe que gostaria de publicar os comentários em seu blog, e dai eu pensei, eu mesma posso fazer isso no meu blog (porque não pensei nisso antes?)

Então, seguem as dicas, algumas são bem específicas, inclusive com endereços, mas não se preocupem “NÃO É PROPAGANDA, NEM ESTOU VENDENDO NADA, NEM RECEBENDO NADA EM TROCA”, apenas procurei ser o mais fiel possível sobre o meu processo de descoberta e adaptação em minha vida pós descoberta da surdez.

– Antes desse episódio houve uma outra vez em que conversei demoradamente com outro colega e o incentivei a procurar por aparelhos auditivos. Um dia esse colega Carlos, veio até minha sala e me deu um abraço demorado e apertado e me disse que ele não tinha idéia do quanto estava surdo e o quanto eu o tinha ajudado a recuperar a qualidade de vida junto a seus familiares.

Existe recompensa melhor do que essa?

Beijos mil,

Segue o texto…

Marta

Olá Cesar,

Posso falar de minha experiência, com prazer, pois considero que foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida.

A primeira coisa a fazer é procurar um otorrino de sua confiança, ele pedirá vários exames para tentar encontrar a causa de sua auditiva. Pode ser física/estrutural ou orgânica/degenerativa, que é o meu caso, e mais vários outros motivos como traumas sonoros, pancadas na cabeça, enfim, é preciso descobrir qual seu caso.

Após os exames ele pedirá que você se consulte com uma fonoaudióloga para fazer uma audiometria para mapear sua perda e saber que tipo de aparelho auditivo é o mais indicado para seu caso.

Minha perda é de 40% em ambos os ouvidos, então eu ouço os sons, mas não entendo as palavras. A conversação humana é modular e segue em ondas, oscilando entre o mais grave e o mais agudo, eu ouço perfeitamente os graves, mas não ouço os agudos, então as palavras chegam cortadas ou distorcidas em meu cérebro.

Dependendo do seu caso a fono vai indicar o tipo de aparelho que melhor possa corrigir e ajustar os graves e os agudos para reensinar seu cérebro a entender as palavras.

Meu primeiro aparelho foi simples, e ficava todo dentro da orelha e eu o usei por três anos, até que percebi que estava mais me atrapalhando do que ajudando, porque nesse meio tempo meu cérebro conseguiu recuperar o discernimento auditivo. É como se as células sadias restantes tivessem feito um upgrade para suprir a deficiências das que estavam doentes.

Então eu mudei os aparelhos e passei para uma outra classe, mais sofisticados tecnologicamente, e mais caros óbvio, Os que eu uso agora são externos, ficam com o microfone atrás da orelha e levam o som dentro do canal auditivo. Mas cada caso é um caso.

Como comprar os aparelhos:

1.Você pode solicitar pelo SUS, é direito de todos, a qualidade dos aparelhos é boa, você não paga nada, mas tem de entrar na fila,

  1. Você pode procurar o CEPRED, órgão de referência na Bahia, e pode fazer todos os seus exames com a equipe de fonos e solicitar os aparelhos pelo governo da Bahia. Equipe é muito capacitada, mas acho que você acabaria caindo na fila do mesmo jeito;
  1. A UNIME aqui em Lauro de Freitas também tem esse tipo de atendimento, pela escola de fonoaudiologia,
  1. Com seu diagnóstico na mão, você pode procurar uma clínica de fonoaudiologia, que indicará o tipo de aparelho que você precisa. Existem clínicas e clínicas: umas não tem ligação nenhuma com marcas de aparelhos e vão indicar um tipo para o seu caso, e outras que são clínicas com representação de marcas, e que do mesmo modo vão indicar um tipo, mas dentro de seu portfólio.
  1. Aparelho auditivo é como carro, existem o 1.0, 20. 4.0, manual, digital, 16 canais, 32 canais, enfim é uma variedade tecnológica que só mesmo um profissional para indicar, mas você deve ter consciência de que, seja qual for o indicado para seu caso, é melhor você pegar o top de linha. A vida útil de um aparelho é de no máximo 5 anos (eu estou no meu terceiro par) se você escolher seu aparelho pelo preço você não vai ter a qualidade necessária e terá de trocar seus aparelhos antes dos 5 anos, então vai estar jogando dinheiro fora.
  1. As marcas: existem algumas marcas que considero como principais são européias (alemãs e suíças) e americanas, mas também tem brasileiras. O importante além da escolha do tipo adequado é que seja uma tecnologia que não esteja ultrapassada, o que acontece muito quando te dizem que é uma “oferta”. As marcas de qualidade oferecem, via parceria com as clínicas, assistência de 01 a 3 anos, pilhas grátis por 1 ano, assistência de peças, e exames gratuitos durante todo o tempo que você estiver usando o aparelho. Esse é um modo de fidelizar o cliente/paciente, por que depois que você começar usar a sua qualidade de vida vai melhorar tanto que nunca mais vai pensar em ficar sem aparelhos, então as clínicas precisam fidelizar você. Eu uso isso a meu favor.
  1. Veja esses sites:

http://www.direitodeouvir.com.br/modelos-de-aparelhos-auditivos/

http://laysom.com.br/produtos/aparelhos-auditivos/

Essas clínicas são bem populares, eu sempre preferi comprar em clínicas representantes diretas das marcas, ao invés de uma intermediária. Eu não conheço nenhuma das marcas que eles vendem.

  1. As marcas mais conhecidas são:

http://www.argosy.com.br/

http://www.otosonic.com.br/

http://www.phonak.com/br/b2c/pt/home.html

https://br.hearing.siemens.com/

  1. Tem gente que traz os aparelhos de Miami, mas para isso você tem de ter certeza de que é o aparelho indicado para você e que terá aqui no Brasil uma clínica que te atenda para fazer os ajustes e manutenção, não é igual a um computador que liga e funciona, pois seu cérebro terá de passar por um processo de aprendizado para decodificar e recodificar os sons.
  1. $$$$$ – custa caro! Comprei meus atuais aparelhos, Audeo Phonak, no ano passado e custou R$5.000,00 cada um. Mas, divida isso por 5 anos de uso e multiplique pelo nível de qualidade de vida e interação que você terá, eu sempre chego à conclusão de que vale a pena!

 

Espero que eu tenha ajudado você. Pense a respeito, será uma ótima decisão eu tenho certeza.

Depois me conte o que você decidiu.

Abraço,

Marta

 

Dicas Aparelhos de surdez – Você precisa?

Anúncios